quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Quanto vale uma vida?

Doutor, com todo respeito,
Falo com Vossa Excelência
Já que por nós foi eleito
Responda com paciência
Nosso humilde manifesto
Nestes versos de protesto
Por nossa gente querida
Que vive tão insegura
Fale de forma segura
Quanto vale uma vida?

Em casa ou no apartamento
O cidadão se preocupa
Sair de casa é um tormento
Pois o medo se ocupa
De torná-lo inseguro
Imaginem no futuro
Com a violência atrevida?
O doutor que se defende
Será mesmo que entende
Quanto vale uma vida?

Assassinato e chacina
Latrocínio, roubo e furto,
É pior do que imagina
É mais do que simples surto
Fruto da ineficiência
Sei que o Doutor tem ciência
De cada vida perdida
Que também puxa o gatilho
Pra mãe que perdeu o filho
Quanto vale uma vida?

No trânsito morre gente
Tal qual em guerra civil
O poder público ausente
No nosso grande Brasil 
Cria Leis que não se aplica
Ao rico que reivindica
Que tal não seja seguida
Seja franco e verdadeiro
Pra o senhor que tem dinheiro
Quanto vale uma vida?

Nesse país do “jeitinho”
Que na base da propina
Tira o “legal” do caminho
Quem tem poder determina
Quando errado vira certo
Responda se for esperto
Se a lei for esquecida
E o irregular aprovado
Quando alguém é subornado
Quanto vale uma vida?

Quando a verba é desviada
Falta escola e segurança
Se a educação não é dada
Aprenderá a criança?
Policial sem recurso
Como mudará o curso
Numa guerra já perdida?
São perguntas sem respostas
Pra você que vira as costas
Quanto vale uma vida?

Tanta ganância do homem
O desrespeito com o outro
Os recursos que consomem
Repercute sempre noutro
Mata-se por coisa à toa
A violência que ecoa
É um beco sem saída!
Vamos por fim a maldade
Responda com seriedade
Quanto vale uma vida?

Você que ganhou o pleito
Que exerce seu mandato
Entenda que foi eleito
Pra ser honesto e sensato
Pra cuidar do que é nosso
Meu discurso agora engrosso
Mexo na sua ferida
Como dorme toda noite?
Minha pergunta é açoite!
Quanto vale uma vida?

Que esse Cordel pela paz
Sensibilize o Congresso
Que um verso seja capaz
De barrar o retrocesso
O corrupto cassado
Corruptor condenado
Cumprindo a pena devida
O doutor em sua mesa
Saberá sim, com certeza,
Quanto vale uma vida!
CARPE DIEM

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...