sexta-feira, 29 de julho de 2011

Cordel Encantado e outras bobagens globais

Que os canais abertos são um amontoados de programas de baixa qualidade e infantilizam o seu público já é mais que sabido. Porém, vem do canal com maior poderio econômico os maiores danos à cultura e a inteligência de quem o assiste. Distorcem costumes regionais, criam ridículos sotaques estrangeiros, promovem artistas medíocres e ditam modas e comportamentos duvidosos.

Só para dar um exemplo, atualmente uma de suas novelas chama-se "Cordel Encantado", que de cordel não tem absolutamente nada. Sequer se deram ao trabalho de colocar algo do gênero em sua abertura. Um folhetim onde as pessoas falam um nordestinês global. Peço desculpas aos que gostam da novela, porém como nordestino lhes garanto, só os nordestinos da Globo falam daquele jeito, com aquele sotaque carioca. Resumindo: cordel mesmo, só no nome.

A Globo sucateia tanto as culturas regionais que sequer se dá o trabalho, numa novela como esta, por exemplo, de colocar algo realmente de cordel em sua trama. Poderia se esforçar um pouco mais e vincular um trabalho de  de algum cordelista. Poderia  até encomendar algo voltado para a novela, de algum repentista de verdade. E olha que existem vários de renome no País. Afinal, para os repentistas do nordeste fazer algo para esse folhetim, seria uma coisa muito simples.

E a dona Globo muda ou cria sotaques vergonhosos, desvirtua costumes regionais de norte a sul, recria a história da forma que bem entende e por aí segue. Hoje o que temos? Uma cultura global empurrada de goela abaixo para todas as regiões do Brasil. Tudo igualzinho, enlatado e claro que as culturas locais foram sufocadas com tanto lixo entregue diariamente.

Poderiam ao menos nos respeitar um pouco e melhorar a programação cultural, nos poupar de Faustão, Luciano Huck, Ana Maria Braga e por ai segue o bonde...

De uma rede, onde o editor chefe do principal jornal do país chama seus telespectadores de bando de Homer, dos Simpsons não se poderia esperar muita coisa diferente de tudo isso que é exibido mesmo.


Ah! Se a Globo quiser mesmo saber o que é cordel, me disponho até a explicar...


Carpe Diem

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Carpe Diem

Nossa vida é como um rio que corre no seu leito. Suas águas nunca passam duas vezes no mesmo lugar, assim como nós, que nunca vivemos duas vezes o mesmo momento. O tempo segue célere rumo ao futuro e no entanto sempre temos o presente ao nosso lado. Já perceberam como passado, presente e futuro se confundem quando consideramos medida de tempo menores? 

Se puder e tiver um relógio pertinho de você neste momento, observe atentamente como um minuto se desenvolve. Como ele segue. É mais ou menos assim, ponteiro no 12 e o novo minuto se inicia com o término do anterior. E à medida em que o ponteiro avança, 5, 10, 15... os segundos vão aninhando-se no passado, como num toque de mágica.

Nesta micro observação nos damos conta de como a vida é preciosa. De um lado temos os segundos do passado, o segundo de agora representa o presente e os segundos que faltam para fechar o minuto representam o futuro. Tudo assim tão perto!

A expressão Carpe Diem faz parte deste blog desde o seu início e foi escolhida justamente por representar a proposta do "Sempre tem algo acontecendo" que sempre foi valorizar o agora, convidá-lo a viver o presente, sem esquecer de aprender com o passado e acreditar no futuro.

Problemas? Todos nós sempre teremos e que bom! Valorizam à nossa colheita diária. Escolhas? Sempre teremos que fazer algumas. Simples ou difíceis, sempre farão parte do nosso dia-a-dia. Agora, entre problemas e escolhas temos que aproveitar ao máximo tudo o que  vida nos entrega e ficarmos atentos.

Pode ser que você esteja correndo demais. Pode ser que você esteja dando pouca atenção ao presente, na ansiedade de conquistar tudo no futuro. Pode ser que você está ignorando as lições do seu passado e repetindo seus erros. Pode ser que você nunca esteja onde deveria estar para ser feliz...Pode ser...

Por isso aproveite cada minuto da sua vida. Viva intensamente como se cada minuto fosse o último. Lembre-se dos segundos que passam no seu relógio e acredite no quanto você é importante para o universo.

Valorize  as brincadeiras entre amigos, o convívio em família, os conselhos e carinho dos seus pais, a ingenuidade de seus filhos, as lições dos seus avós e principalmente jamais, em hipótese alguma, ignore os sinais da vida. Eles estão por toda a parte...Talvez esta postagem seja um destes sinais... Talvez não... Quem sabe?

CARPE DIEM

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Viagem dos sentidos


Um olhar que enebria meus sentidos
E viajo na maciez da alva pele
Leve toque que aos poucos me revele
Os segredos e desejos escondidos

Somos dois, um no outro, tão perdidos
A paixão que nos deixa "a flor da pele"
Bem maior do que nós e nos impele
A viver um amor dos mais queridos

Da sua boca vem a calma de um sorriso
Uma paz bem na hora que eu preciso
Calmaria misturada com aventura

Da sua pele, que sem pressa eu aliso
Vejo versos surgidos do improviso
Tão intensos e tão repletos de candura

Especialmente para minha Princesa da Lua

"Vem o vento e vai passando pelas folhas
Varre o céu e vê o Cavaleiro do Luar'" 
Trecho da música Cavaleiro do Luar de Almir Sater

CARPE DIEM

terça-feira, 26 de julho de 2011

Meu avô e eu - Um livro delicado para o Dia dos Avós

Você sabia que hoje se comemora o Dia dos Avós? Pois é! Hoje é o dia de dar aquele abraço no seu avô e na sua avó querida. Ah! Você quase não os vê? Esforce-se um pouco e procure-os. Pelo menos aqueles que têm a honra de ainda tê-los vivos. Estejam perto ou longe.

Terminei de ler hoje cedo, por coincidência, o livro de minha amiga Adriana Mani: Meu avô & Eu. Um livro que conta toda a trajetória de uma grande amizade entre uma neta e um avô. Situação rara nos dias de hoje. 

Nossa geração, aquela nascida entre a década de 60 e 70 talvez seja uma das últimas a cultuar a figura dos avós. Ainda somos do tempo de ouvir histórias contadas por eles, de encantar-se com a sabedoria dos pais dos nossos pais. Somos ainda os que respeitavam verdadeiramente a autoridade de um avô e claro que abusávamos até onde nos era permitido.

O livro da Adriana Mani fala justamente sobre isso. Sobre o companheirismo, as lições, o amor compartilhado, o respeito e todos os demais ingredientes necessários para uma relação encantadora.

A autora fala com maestria e de uma forma tão simples e delicada que temos vontade nos apropriar desse avô tão especial. Desta infância que tem muito a ver com a infância de muitas pessoas. Talvez, ao ler o livro, você se encontre representado(a) em algum dos seus capítulos. Peça aí na livraria perto da sua casa ou entre no site da Editora Multifoco e peça direto.

A mensagem que  o "Sempre tem algo acontecendo" deixa para cada um dos leitores é que aproveite este dia para reforçar ou reafirmar os laços com seus avós. Quem tem filhos pequenos habitue-se a visitar mais seus pais, ou seja, os avós dos pequenos. Este convívio é tão fascinante, quando bem estabelecido. Estimule a relação avô e netos. Lembrando sempre, que pais são pais e avós são avós. Nada de transferir responsabilidades para estes que já fizeram a parte deles, educando-os.

E assim nos despedimos. Feliz Dia dos Avós! 


A nossa única avó Ledinha
Aos avós dos nossos filhos
Im memorian: Avós Zé Quintans e Quitéria e Avó Lourdes. Fantásticos!
                      
CARPE DIEM

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Fazendo planos...

Quantas vezes nos pegamos fazendo planos e mais planos. Grandiosos ou mesmo os pequeninos. Desde a dia ao cinema até a compra de um imóvel. Planos exigem uma energia atual que será investida numa conquista futura. Conseguimos chegar a algum lugar sem um mínimo planejamento?  O que você acha?

Minha opinião e a de quem entende de planejamento é que torna-se praticamente impossível atingir um objetivo sem um planejamento. Agora uma pergunta complementar: Planejamento é tudo? Resposta imediata: Não!

É necessário acreditar no plano traçado, considerar as pessoas envolvidas, os ganhos quando o objetivo for conquistado, as perdas que fatalmente existirão em detrimento ao objetivo escolhido, enfim e principalmente, muita transpiração. Até pra uma simples ida ao cinema é necessário tudo isso. Numa menor intensidade.

Antes de tudo isso tenha em mente o que quer claramente. Seja o mais específico possível. Considere o máximo de possibilidades e tenha um plano B, caso seu plano A falhe. Nada de frustração pelo caminho.

Além disso é necessário considera o Plano Universal ou o Plano Divino, conforme creia. Sim. Nada depende exclusivamente de nós. Depende de outras forças que alguns chamam de fatalidade, acaso, destino e assim por diante. O nome não importa muito. A verdade é que o imponderável existe e está presente em todos os lugares.

Alguém planeja ser campeão de alguma modalidade esportiva e sofre um acidente que o deixa paraplégico. Acabou a vida dessa pessoa? Não! Ela terá que rever seu plano inicial e talvez ser campeão de outra coisa, dentro da nova realidade.

Alguém planeja casar-se e o noivo ou a noiva desiste. Anos de planos jogados para esta pessoa. Sonhos e tudo mais. Pode-se continuar o plano? Pode-se. A diferença é que não será com a pessoa idealizada até ali.

E assim também acontece com uma profissão escolhida, um imóvel, uma carreira de sucesso e por aí vai.

Sempre considere que nem tudo se encaixará como você deseja ou acredita que deseja. Este desvio pode ser a redenção amanhã. Pode ser um caminho mais seguro no futuro.  É o universo atuando. 

E quando uma pessoa parte, como partiu bestamente Amy Winehouse, aos 27 anos? Ou como um amigo nosso, que aos 34 anos, se foi num acidente sem sentido, para quem era especialista em paraquedismo?  Onde ficaram os planos deles? Teriam muitos planos? E aqueles que ficaram? O que levarão de algo tão intenso e definitivo. Algum aprendizado? Por um preço tão alto?

Muitas perguntas! Na verdade é preciso contemplar o todo para entender acontecimentos como estes.

Por isso, de hoje em diante, faça seus planos, porém viva a vida um dia por vez, considerando sempre a vontade universal ou divina. Como queira crer. 

E o mais importante. Evite guardar ressentimentos, arrependimentos e tantas mazelas. Libere-se de culpas, medos e tristezas. Afinal, temos uma nova manhã todos os dias. É a natureza que nos ensina a recomeçar a cada 24 horas. A cada minuto.

CARPE DIEM.

sábado, 23 de julho de 2011

Tem hora que a gente cansa...

Tem hora que a gente cansa mesmo!

Cansa de esperar 
Que as coisas mudem
Que as pessoas vejam o óbvio
Que o encanto reapareça
Que as mudanças aconteçam
Que o adormecido acorde
Que quem nunca viu, passe a ver
Que a situação melhore
Que o calor diminua
Que a chuva cesse
Que a lua reapareça
Que a pessoa não te esqueça
Que o coração abrande
Que a humildade prevaleça
Que quem ofende se importe
Que quem machuca se desculpe
Que o sorriso volte belo
Que a poesia prevaleça
Que logo algo aconteça!

Tem hora que a gente cansa
Mas nada como um bom descanso
E no fim?
Tudo se acalma 
Tudo se encaixa
Tem hora que o melhor é deixar pra lá.
Que bom!

CARPE DIEM!

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Que país foi este?

Que país foi este que herdamos?
Um país onde aquele que trabalha honesto precisa provar sua honestidade
Um país onde  políticos corruptos são reeleitos
Um país que ri enquanto sente preconceito
Um país travestido de pacato, pacífico e alegre
Porém assassinam travestis, humilham nordestinos, desprezam negros e menosprezam as mulheres
Que país foi este onde a pontualidade foi para o ralo
um país que também manda pelo ralo nosso dinheiro ganho com muito suor
Um país onde se tira dos direitos mais básicos e se coloca em redes multinacionais
Um país onde quem tem dinheiro tem benefícios, acesso aos atalhos
E onde aquele que precisa, não tem acesso
Um país onde se tem acesso, porém não se tem respeito
Aeroportos lotados, companhias aéreas lucrando e o usuário sempre entendendo
Atrasos, escalas infinitas, distância de casa
Que país foi este que construímos?
Que país foi este que nos contentamos?
Onde se vende carros e mais carros, porém não se cuida do trânsito
Um país que prende um pai que não paga a pensão do seu filho, porém deixa livre ladrões graúdos.
Um país onde se aceita propina sem problemas e se paga também, sem culpa

Um país onde um motorista mata 3 pessoas e está há quase 10 anos livre e tudo isso dentro da lei. Claro que este motorista é um jogador de futebol famoso, como também poderia ser um político, uma autoridade ou um filho de alguém rico. Com certeza a embriaguez deles é diferente da embriaguez do Sr. José da Silva, que foi flagrado numa blitz qualquer.

Um país onde ainda se joga lixo na rua, se buzina por que o motorista demorou um segundo pra sair com seu carro.
Que país é este onde os direitos dos pedestres não são respeitados? Onde crianças são jogadas nas calçadas. Onde crianças  não são adotadas por culpa da burocracia.
Um país onde um político tem atitudes racistas em rede nacional e sequer é punido.
Um país onde existem três níveis de leis (não seria o Brasil, um país de todos?). 
Um nível de leis para a população comum, outro para os políticos e outro ainda para os abonadíssimos.


Melhor nem falarmos sobre educação, saúde, transporte público, pesquisas, investimentos em infra estrutura, investimento em esportes, comunicação...

Que país foi este?

CARPE DIEM

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Divagações sobre o nada

Pessoas se isolam com seus celulares, ouvindo músicas
A moda comanda a vida de muitos
Pessoas se sentem distantes até quando o outro está por perto
Carta é algo do passado
Pessoas perdem tempo escrevendo pequenas coisas
Alguns cismam que é possível contar a vida em duas linhas
Muitos precisam repetir centenas de linhas para não dizerem nada
É muito comum criamos coisas que deveriam facilitar e isto não ocorrer
Impessoalidade é algo cruel
Em noites de frios preferimos uma pessoa a um celular
Perdemos a vontade de criarmos laços
Podemos recuperar comportamentos que eram mágicos
Visitar os amigos é ainda melhor que postar numa rede social
A palavra amigo está banalizada justamente por causa destas redes
Temos 500, 600, 3.000 amigos!
 A verdade é que amigos mal cabem numa das mãos.
O amor depende de poesia no sentir
Existem outras possibilidades
Nem tudo que é novidade é bom!
Dedicar-se a um abraço verdadeiro de vez em quando é saudável
Declarar-se também faz bem.
A vida é tão simples e cismamos em transformá-la num caos
Amar transforma pessoas
Transforme-se!

Carpe Diem

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Monteiro: memórias em cordel

Recordo-me nesta hora
Quantas histórias vividas
Quantas lembranças me chegam
Destas largas avenidas
Das compras neste mercado
E tudo fica marcado
Quantas pessoas queridas!

Memórias quase esquecidas
Me chegam neste momento
Monteiro, cidade minha
Lembrança vem com o vento
As águas do seu açude
Mata a sede e não ilude
Viagem do pensamento

Tinha bode e até jumento
Nas feiras da minha memória
Flávio José já tocava
No "BB" fez sua história
Lembro do Sítio Anjiquinho
Cabelos em desalinho
Infância cheia de glória

Viver já era vitória
Na seca dos tempos idos
Sertanejo, homem valente
Homens fortes esquecidos
Por governos desleais
Por uma punhado de reais
Políticos corrompidos

Quantos momentos vividos
Nas esquinas de Monteiro
Na praça antiga, o coreto
A Matriz do bom romeiro
Vendas, mercados e bares
Homens voltando pra os lares
Depois de gastarem dinheiro

Menino corre ligeiro
Atrás de uma bola de pano
Meninas pulando corda
Entra ano e sai ano
Monteiro está sempre viva
Em sua gente nativa
Amor não comete engano

Quem está longe faz plano
De um dia lhe visitar
Passear em seu Mercado
Sua terra reconquistar
Comer comidas da terra
Matar saudade que encerra
E sua beleza avistar

Deixe-se conquistar
Pela terra do repente
Aqui Pinto de Monteiro
Nos versos, era serpente
Jabitacá e Asa Branca
Desafios, rima franca
Viola, verso e aguardente

A cantoria, minha gente
É algo impressionante
Cantador fala uma coisa
Resposta vem adiante
Tudo feito no improviso
De surpresa e sem aviso
Verso feito num instante

Hoje me encontro distante
Daquele choro primeiro
Da minha primeira casa
Das corridas no terreiro
Das frutas colhidas no pé
Das casinhas de sapé
E do meu céu de Monteiro

No coreto um seresteiro
Cantava uma moda antiga
Luar igual do sertão
E uma gente mais amiga
Noutro lugar não existe
Um povo que a dor resiste
No peito a bondade abriga

Saudade, emoção que liga
A pessoa sem paradeiro
Por mais que viaje o homem
Sua terra é o seu canteiro
Meus versos, minhas memórias
Terra de tantas histórias
Alagoa do Monteiro

CARPE DIEM
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...