sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Criança é tudo de bom!


Vocês gostam de crianças?
Eu adoro! De verdade! 

As crianças têm umas sacadas...que vou te contar. Elas são mágicas!

Simplificam tudo. Na verdade, elas descomplicam tudo.

Vou contar uma história de como criança é simples e direta:

"Seus pais resolvem trocar de carro. Talvez por um mais antigo, visando reduzir gastos. Eles estão contrariados e até tristes, pela possibilidade der ter que trocar o carro novo por um mais antigo....Aquela sensação esquisita.

Trocam de carro. E chegam com o novo "carro antigo". No íntimo, aquela sensação de "ter feito o certo". Que não havia outra solução. E assim seguem."

Agora vamos para o outro lado: O da criança.

Papai, mamãe, vocês vão buscar o carro novo? Que legal!
Chega o carro novo (na verdade mais antigo):

"Nossa que carro bonito! É mais legal que aquele outro.
Estou mais alto no meu cadeirão! Adorei esse carro novo! Era da cor que eu queria e até a música dele é mais legal."

Os pais começam a rir. Claro. Haviam aprendido uma liçãozinha naquele exato instante:
"Tudo é uma questão de ver as coisas pelo lado bom. Pelo nosso lado criança"

Agora sabe o que é mais legal de tudo? É que cada um de nós tem uma criança esperta e livre dentro de si. Muitas dessas crianças estão tão quietinhas, sufocadas, que demoram um pouco à dar as caras. Outras, vivem estampadas nos rostos de seus adultos. 

Que tal, ver aquele problema, aquela mudança ou crise com os olhos e coração de sua criança. Acredite! Faz muita diferença!

Até o som fica mais bonito!

CARPE DIEM

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Velhos amigos

A amizade é algo muito mágico. Como é bom reencontrar amigo. Amigo de verdade!
Aquele que sempre tem algo especial pra dizer, mesmo não dizendo nada.
E amigo quando é verdadeiro, encanta aqueles que o cercam.

"A amizade é a irmandade que construímos de propósito"

E a gente só sabe que amigo é amigo, com o passar dos anos
Com as distâncias
Com as ausências

Eu tenho alguns grandes amigos. Poucos, é verdade! Porém são pessoas maravihosamente especiais.
Um dos meus grandes amigos, meu grande irmão da estrada e das estações do ano vejo-o pouco. Alguns meses se passam até um próximo reencontro.

E a grande mágica é: Sempre parece que foi ontem.

Retomamos uma conversa, como se tivéssemos nos despedido, ontem à noite.
Amigo é assim. O tempo não passa. O tempo não pára.

Como diria Almir Sater em Velhos Amigos:
"Os velhos amigos
Quase nunca se perdem
Se guardam para
Certas ocasiões"


E amigo de verdade, sempre tel algo a nos acrescentar. Um simples: "Calma, irmão! Tudo se ajeita", parece ter um poder especial.

Amigo de verdade se aflige ao ver o amigo em dificuldade e socorre. Escolhe as palavras e toca em frente, conosco.

E aqui, lembro um trecho de "Amizade Sincera", de Renato Teixeira:
"Os verdadeiros amigos
Do peito, de fé, os melhores amigos
Não trazem dentro da boca
Palavras fingidas
Ou falsas histórias
Sabem entender o silêncio
E manter a presença
Mesmo quando ausentes"



Ontem tivemos uma amiga muito especial conosco.
Os nossos amigos de verdade têm uma outra propriedade rara.
Quando estamos com alguém do lado, quando deixamos de ser apenas um e construímos família, os amigos vêem juntos.
E acabam se misturando.
E ficamos felizes em tê-los conosco.

Uma sensação que nos faz pensar, "Que pessoa especial esse amigo seu. Essa amiga sua. Tá na cara que ele ou ela gosta muito de você" É a amizade verdadeira se manifestando. E nos tornamos todos nós, amigos. Por que amizade contagia!

E assim, falava a "Cançao da América", de Milton e Fernando Brant:
"Amigo é coisa pra se guardar
Do lado esquerdo do peito
Dentro do coração
Mesmo que o tempo e a distância
Digam não!"


É. Amigo é mesmo coisa pra se guardar, do lado esquerdo do peito.

Como sempre tem algo acontecendo. Que tal procurar aquele grande amigo, ou grande amiga e dar aquele abraço.
Ah! Está longe?
Liga e dá um oi, assim, de graça!
Também não dá?
Então pense nele ou nela com carinho.
Fará um bem danado.
Parecerá que vocês se viram ontem!
O bom mesmo é quem tem grandes amigos pertinho. Sempre prontos, como nossos anjos da guarda. alguns dos meus grandes amigos estão sempre por aqui.



Por isso que sempre digo: "O bom da vida é ter amigos. É ser amigo."

domingo, 23 de novembro de 2008

Amora


Engraçado como a gente escolhe algumas coisas. E vou contar uma escolha que fiz estes dias, por uma razão um tanto quanto inusitada.

Gosto de comida simples e correta no seu preço. Ah! Quem não gosta? Pois é. Me incluo entre os que gostam, então. E também tenho um outro hábito muito comum, ainda mais para um taurino, me apego fácil e pra trocar algumas coisas e alguns lugares, o novo tem que ser muito bom.

Estes dias, conheci um restaurante novo (pra mim, por que ele existe há alguns anos). Pertinho de casa. Tão pertinho que dá até prá ir a pé. E agora o motivo pelo qual resolvi conhecê-lo, pessoalmente: O seu nome. Apenas isso. O nome fantasia do estabelecimento comercial.

Mudando de assunto. Admiro incondicionalmente Renato Teixeira. Um sujeito simples no modo de falar, nascido em Santos e crescido lá em Taubaté, interior de São Paulo. E esse moço, é um poeta da música brasileira. Escreve e canta coisas lindas, simples de tudo, que tocam o coração da gente. Tem muitas músicas dele que me inspiram. Algumas são temas de minha vida, de uma amizade, de um amor, de um momento especial.

E tem uma música que me toca sempre, por sua simplicidade. Chama-se Amora. A letra tá no final deste post.

Ah! Estava falando do restaurante. Acham que já esqueci, não é mesmo?!
Eu tinha parado nesse ponto: O que motivou a minha primeira visita a este restaurante? O seu nome.
Um nome belo, simples e ingênuo como essa fruta tão pequena e delicada: Amora!

Quando li o nome do restaurante numa revista aqui da cidade, fazendo um comentário sobre um prato de lá, confesso que nem li a reportagem. Apenas me fixei no nome: "AMORA". Será que tem alguma relação com a música do Renato? E quando chego lá, não é que encontro, em cada mesa, um pequeno display com a letra da música Amora?

Pronto. Cliente conquistado! E a comida? Bem, a comida é digna do nome, gostosa, simples e delicada. E uma sobremesa maravilhosa: Sorvete de creme, com cobertura de calda de amora. Fantástico! Me senti cirança, com essa sobremesa. Voltei aquele tempo em que ficava horas num pé de amora (amoreira, pra ficar mais chique) me lambuzando e bagunçando. Por que amora lembra molecagens, brincadeiras.

Cliente mais que cativado.

O legal de um lugar assim é o atendimento. Pessoal, educado, simples. Seria tão bom se sempre fossemos atendidos dessa maneira. Me sinto muito bem "toda vez que passo lá".


Amora (Renato Teixeira)

"Depois da curva da estrada
Tem um pé de araçá
Sinto vir água nos olhos
Toda vez que passo lá
Sinto o coração flechado
Cercado de solidão
Penso que deve ser doce
A fruta do coração
Vou contar para o seu pai
Que você namora
Vou contar pra sua mãe
Que você me ignora
Vou pintar a minha boca
Do vermelho da amora
Que nasce lá no quintal
Da casa onde você mora."


Engraçado como a gente escolhe algumas coisas...

Nos vemos por aqui!

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Equilíbrio

Equilibrar-se numa corda bamba...
No fundo todos nós somos equilibristas natos.
Nos equilibramos em nossos relacionamentos afetivos.
Na empresa em que trabalhamos, sejamos donos, líderes ou liderados.
Nos equilibramos no trânsito.
E muito mais ainda, na vida!

A vida é uma extensa corda bamba e com os nossos pés de equilibristas seguimos nessa corda mágica. Como todo equilibrista que se preze, é necessário muito treino, alguns tombos e chega o momento que tiramos de letras, grandes distâncias...lá nas alturas!

Equilibrar-se é compreender a necessidade do outro e a sua própria
É compreender a diferença entre considerar mudar e desistir
E o equilibrio só é alcançado com muito treino.
A primeira ferramenta do equilibro é o "saber ouvir", que é bem diferente de escutar.
Em seguida adquira a capacidade de refletir antes de falar o que pensa.

Você já percebeu que pessoas desiquilibradas fala o que vem à cabeça, muitas vezes, sem ela mesma saber exatamente o que está querendo dizer?

Equilibrio requer controle emocional. Principalmente se envolver situações críticas e várias pessoas com interesses diferentes.

Controle emocional exige que você desenvolva ou adquira outroas recursos, como segurança, autoconfiança, paciência e discernimento.

Equilibro também exige também pensamentos bons e boa fé com o próximo. Aqui o melhor treinamento é a meditação.

Calma, você não vai precisar virá um monge tibetano para isso. Meditar é equilibrar-se com seu organismo, com a natureza, com o cosmo. Pode ser feito em qualquer lugar. No transito caótico de uma grande cidade por exemplo. Basta ter uma música tranquila, pensamentos cadenciados, respiração equilibrada e pronto. O equilibro está instaurado. Observe como seu dia será melhor a partir daí e como os problemas tornar-se-ão menores, mais simples!



Eu uso como mantra, um trecho de uma músida do Walter Franco, que diz:

"Tudo é uma questão de manter
A mente quieta
A espinha ereta
E o coração tranquilo"
Vamos lá! Equilibre-se!




segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Água de Cachoeira

Você é como água de cachoeira
Que me atrai e me conduz até você
que me esfria e esquenta ao mesmo tempo
Com seus mistérios e segredos escondidos

Você é como água de cachoeira
Com seus desejos, histórias e lendas
Excitante, desejável e extasiante
Que me transporta pra bem longe...

Você é como água de cachoeira
Que segue seu curso e ama o rio
Impetuosa, corajosa e verdadeira
Poética romântica e lírica

Você é como água de cachoeira
E eu, sou como o leito do rio
Que te leva por caminhos que são nossos
E no seu curso, de novo despenca no meu leito

E assim como a água da cachoeira e o leito do rio
Somos um só!

Quedas e leito!
Curso e curvas
Margem e remanso!
''''
Você já tomou banho de cachoeira? Ainda não? Faça isso um dia.
É muito revigorante. É como se você fosse transportado para outro plano. Magia pura!
...
Nosso Brasil é rico em cachoeiras. Algumas belissimas, como a retratada acima, localizada na Estância Mimosa, em Bonito (MS).
...
Como diria Renato Teixeira, em uma de suas músicas (Ao gosto do coração):
"Pobre de quem nunca espreitou um passarinho
Nem lavou na cachoeira, algum cansaço, alguma dor"
...
Então, quem ainda não "se lavou" numa cachoeira, anote aí na sua lista de desejos e aquele que já teve esse imenso prazer, compartilhe conosco, sua experiência.
...
Certamente estimulará aquele que nunca foi e nem imagina a experiência que está perdendo.
...
Nos encontramos aqui.

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Viver (ou problemas são o máximo!...)

Outro dia uma pessoa me disse: - Meu, quanto problema!

Eu mesmo me falo isso, ás vezes, ou acabo falando pra alguém. Ninguém está imune ao "surto" de se deparar com um problemão. Sabe aquela vontade danada de sumir dentro de si mesmo ou enfiar a cabeça num buraco, como um avestruz (algo me diz que isso é um mito!).

O incrível é que a gente sempre supõe que nosso problema é maior de todos! Até imagina o anúncio final: E o problema vencedor é....o SEU!

É assim mesmo. E isso tem lá seu fundo de verdade. Sempre o que você vive é mais intenso do que o outro vive. Seja problemas, paixões, amores, alegrias, etc. etc.
Agora aqui, entre nós. E o que é viver? É isso mesmo. É enfrentar problemas, dificuldades todos os dias. Já imaginaram como seria sem graça se tudo sempre fosse certinho. Do jeito que a gente quer. Que os nossos sonhos estivessem todos ali, a nossa disposição. Sem graça né?

Primeiro, que os sonhos nem existiriam. Objetivos? Até parece...Sempre tudo estaria lá. E nessa pasmaceira danada estariam nós: os felizes por natureza, po ter tudo do jeito que sempre desejamos.

Eu? Prefiro os meus problemas de vez em quando. Ainda mais quando são os vencedores!

Por isso vamos dar um viva a ese problema que está aí lhe incomodando. Nada de lamentar-se. Vamos mesmo é agradecê-lo:
-Problema! Que bom que você veio! Eu estava tão apático com tudo certinho! Valeu, meu velho! Fica mais um pouco. Preciso me mexer!

E viver é mais ou menos isso. Mexer-se! Movimentar-se. E só nos mexemos e mudamos de "lugar" quando não estamos satisfeitos com o estado atual, com o momento ou situação que vivemos.
E mexer-se é muito bom! Enxergar outras coisas e outras possibilidades nas mesmas coisas!

É isso. E viva seus problemas! De maneira honesta, realista, corajosa e nada de "lamentos", combinado?

Depois me conta como resolveu aquele problemão aí!

Ah! Acredite! Somos quem podemos ser! Somos quem queremos ser!

Até mais!

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Podem voar que sou a outra asa de vocês...

Voar...voar! Liberdade...

Existem muitas formas de amar nesta vida. Amor de pais para com seus filhos. De filho para com seus pais. Amor de casal. Amor entre irmãos. Entre amigos! Amor solidário. E tantas outras formas de amar que existem neste e em tantos mundos!

E a única coisa que é comum nestes amores é um quesito básico: Liberdade. O amor jamais aprisiona. Jamais julga. O amor não pode e nem deve ser mesquinho. Amar é entender que o outro é um e que você é outro e quando o um se encontra no outro, tudo se mistura numa perfeita alquimia.

E assim são feitos os relacionamentos: De misturas! Infinitas combinações. Tipo aquelas onde o seu melhor amigo é exatamente o seu oposto! Onde o seu irmão é de um jeito e você é completamente diferente! E ainda assim existirá o amor! E caso ele exista mesmo. anote aí: É o verdadeiro!

E quando amamos, desejamos o melhor para o outro. Esperamos que ele realize seus sonhos. Que ele seja o máximo. Eu adoro amar. Até tomo alguns cuidados. Por que quando amamos demais o outro, esquecemos de amar uma pessoa importantissima para nós: "Nós mesmos!"

E por amor, abraço minha família, meus amigos, minha companheira de jornada, minha filharada, aqueles que precisam muitas vezes, apenas de um abraço.

Quem ama escuta.

Escuta e procura as melhores palavras para aquele que as busca. E amando a gente torce para que aquele sonho (sabe, aquele?) se realize e espera estar junto pra comemorar e falar com carinho: Puxa! Eu estive contigo esse tempo todo, torcendo por isso! Olha teu sonho aí! Materializado.

Um dia ouvi dizer que família a gente não escolhe, aceita (só por que somos irmãos de alguém, somos obrigados a amá- lo?); e que, muitas vezes, amigos são mais importantes que a nossa família. Sinto discordar de um absurdo desse. Nossa família, escolhemos sim.

No exato momento que somos fecundados. Queríamos estar alí, com aquele papai e aquela mamãe e com todos aqueles que fazem parte do círculo deles. E realmente não somos obrigados a amar. Até por que amor não é uma obrigação. É uma dádiva, onde quanto mais amamos, mais temos amor pra distribuir. Amor não se gasta, ele se multiplica em si mesmo! Ah! Amigos são importantes mesmo. Nem mais e nem menos que nossa família. São importantes de uma maneira diferente apenas.

E por isso que hoje digo para aqueles que amo, que confiam em mim, que estão ao meu lado, seja por laços familiares, de amizade, de companheirismo. Para todos vocês e especialmente para uma pessoa que hoje tem tantos vôos à realizar, tantas dúvidas, tantos sonhos, tanta beleza e tanta coragem:

"- Podem voar, que eu sou a outra asa de vocês!" (trecho da música João e Duvê, de Maciel Melo, para os fihos de Xangai)

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Fazer brinquedos (ou como se divertir com quase nada...)

Vamos falar de jogos e brincadeiras que precisam de nada ou quase nada?
A infância hoje é um pouco diferente daquela, de alguns anos atrás. Hoje é alta tecnologia, alta definição gráfica, a interatividade (?) são os pontos altos das brincadeiras!

Eu sou do tempo do "interagir" que é bem diferente dos tempos atuais, da "interatividade". Enquanto o primeiro é a maneira como duas ou mais pessoas se "entendem" e se "entrosam" a segunda definição tem a ver com a comunicação "homem e máquina (tecnologia)". Ou seja quanto maior a interação, mais produtivo serão os relacionamntos humanos e quanto maior a interatividade, mais fácil será o "entrosamento" entre homem e máquina, consequentemente, tornar-se-á mais agradável ficar horas em frente uma máquina, jogando, conversando, etc.

As das coisas são importantes. O "x" da questão é que hoje se investe muito mais em melhorar continuamente a "interatividade" e aos poucos, deixamos de lado o mais importante, para nós, seres humanos: investir em aprimorar a "interação"

E afinal, o que isso tem a ver com brincadeiras que precisam de nada ou quase nada? Respondendo: Tem tudo a ver. Tem muito a ver.

Cresci entre poesias, poetas repentistas, jogos de tabuleiros, brincadeiras na rua de casa, estudos em bibliotecas e nas casas dos amigos. E nesse universo todo, o que mais existia era interação!

E criavámos jogos e mais jogos. Sabe o que precisávamos muitas vezes para nos divertir? Uma pedaço de papelão, umas tampas de garrafas, uns botões de roupas (que "emprestava" de minha mãe costureira), caneta e imaginação.

Eu fazia em casa, praticamente todos os jogos que gostávamos: jogo de damas, trilha, jogo da onça ou adugo (esse que está desenhado aí em cima), corridas com dados e castigos e bônus. (consistia numa grande cobra desenhada num papelão ou cartolina, quando tinha um trocado, com casas numeradas. Ou seja, uma pista numerada).

Um dos meus grandes parceiros de jogos, quando criança foi meu pai. Convivi pouco com ele (até meus 16 anos). Nesses momentos ele estava lá. E nos divertíamos por horas e horas! Riamos até! Ele adorava me enganar nos jogos. De provocação. Não era lá bom perdedor. No fim a gente se divertia mais das "estratégias de enrolação" do que do jogo propriamente dito.

Tinha as brincadeiras de correr (pega-pega, "mão na mula", "morto vivo", siga o mestre, polícia e ladrão, pular corda, futebol de rua). Aja energia pra tanta bagunça!

Jogávamos também bafo, dominó, xadrez, joquei-pow, palitinhos e tantas coisas que nem me lembro agora.

E era tão bom fazer os jogos e os tabuleiros. Criar os tabuleiros. Muitas vezes demorava tanto na tarefa de criar algo novo que já virava a diversão propriamente dita!

Quantas vezes, na casa de amigos, resolviamos brincar de algo e se faltava, logo diziam: Samuca, faz um jogo pra nós aí!. E pegava um pedaço de papel qualquer, pegava pedra ou o que tinha pela frente e criava as peças do jogo. Pronto! Todos se divertiam!

Hoje eu me lembro bastante deste tempo. Continuo criando meus jogos, acredita? Agora sou parceiro dos meus filhos. Que ainda gostam de minhas invenções, minhas pistas malucas e meus dados engraçados. E enquanto eu conseguir cultivar a interação, sobrepondo-se a interatividade, estou feliz! Meus filhos não gostam tanto assim de jogos eletrônicos e nem de internet. Usam-na, claro. Agora entre uma boa brincadeira entre nós e uma bate-papo virtual, ainda escolhem as brincadeiras! Eba!

E você já inventou algum jogo? Que tal abrir mal da interatividade por um tempo e arriscar-se a interagir mais? Com seus amigos, filhos, marido, esposa, irmãos, pais. Com todo mundo!

Ah! Ficou curioso(a) pra saber o que é jogo da onça?

Visites esses blogs:

http://tudamente.blogspot.com/2008/02/adugo-ou-jogo-da-ona.html ou http://ursasentada.blogspot.com/2006_06_01_archive.html

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Abraço (...ou coisas que deveríamos praticar sempre!)



Você gosta de abraçar? E ser abraçado? Tem gente que não gosta. Ou melhor, tem gente não suporta mesmo! Recua, quando vê aquela pessoa vindo em sua direção, com braços estendidos, abertos, prontos para o grande abraço!

...
Agora vamos lá. Imagine-se capaz de estar dentro de uma pessoa, que deseja abraçar alguém. O que o motiva nesta demonstração de carinho, nesta autoexposição, em correr o risco do outro recuar, bem no momento do abraço ou pior ainda - retribuir de maneira fria, sem graça, sem "empolgação"!
...
Sempre penso nisso, quando alguém quer me abraçar, meio assim, de surpresa. Recuar nem pensar! Frieza, pior ainda! Procuro ser digno daquela motivação do outro em demonstrar-me apreço e carinho.
...
E o abraço tem um poder incrível! 
Até por suas características.
Abraço é envolvente!
É carinhoso!
É acolhedor!
...
E o abraço tem muitas variações:
Tem o abraço dos namorados
O abraço do pai que consola o filho
O abraço de saudade
O abraço de despedida
Tem aquele outro que é o abraço que é cheio de frases, em seu silêncio:
"Olha, estou aqui. Fique tranquilo(a). Tudo vai dar certo."
Ali. Em silêncio. Tudo é dito neste abraço falante.
Tem o abraço da vitória
Aquele que é solidário
Aquele é voluntarioso
Abraço de amigo
Abraço de irmão
...
Assim como os abraços bons, distinguimos logo, um abraço ruim (existe? pior que existe). Sabe aquele abraço frio? Pois é. Tem aqueles que abraçam a distância. Não querem se aproximar. É aquele que não permite conhecer-se, com a proximidade. Tem aquele abraço meio que de lado. A pessoa não se envolve com o ato de abraçar. Tem aquele abraço pensando noutra coisa, bem longe dali. Do abraço.
...
Abraço, como tudo na vida, precisa de dedicação ao momento. Aos segundos que ele dura!
Já observou como uma pessoa fica feliz com um abraço verdadeiro? Abraço é irmão do sorriso, sabia?
...
Pode ver. Antes, durante ou após um abraço, lá esta ele: O sorriso!
...
E por falar em abraço, pare de passar vontade. Abrace mesmo! De verdade. Fará bem pra você e para a pessoa abraçada.
...
Sentiu-se bem com a ideia? Ok! Então....sinta-se abraçado(a) neste exato momento!


CARPE DIEM!

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Escrever é vestir os pensamentos


Escrever é algo surpreendente! Vocês concordam?
Escrever é compartilhar. É dividir. Entregar nossos pensamentos ao próximo.
Muitas vezes, entregar nossos sonhos aos mais distantes.
Afinal, quem escreve, o faz para alguém. Nem que seja pra ele mesmo.
Enxergar seus pensamentos por um outro ângulo.
A ótica da escrita. Da idéia vestida. Envolvida.
Abraçada pelas palavras.

Escrever é abraçar carinhosamente os pensamentos.
Aquele afago, onde cada palavra busca a beleza!
Confortar o pensamento!
Que pede pra vir ao mundo, de maneira nobre!

Já imaginou quantas coisas ficavam represadas, em um ser, antes da escrita?

Eu sei. Você poderá pensar: - Ah! Mas existia a fala!

E aí eu te pergunto: - A gente fala tudo o que pensa? Nem sempre, não é mesmo? É mais comum a gente falar sem pensar, mesmo!

Escrever pra mim é algo expontâneo e natural. É como respirar. Envolver meus pensamentos em palavras, versos e prosas.

Adoro escrever. De verdade! Sou apaixonado pela escrita.
Adoro ler também. Principalmente as coisas bem escritas. E pra mim "bem escrito" está ligado a algo verdadeiro, intenso, enfim, algo de dentro. Pode vir de um escritor desconhecido. De alguém bem simples ou de alguém de grande importância no cenário literário. 
...
Ando apaixonado por Machado De Assis e Manoel de Barros, ultimamente. Excelentes!

Sem contar que existem coisas ótimas por aí, escondidas em revistas, jornais, blogs e por aí vai.
...
Tem algo mais romântico pra um pensamento do que ser vestido por letras num papel. Papel de verdade. Onde enquanto o pensamento flui o a letra é desenhada por aquela mão. Pode ser uma carta. Um poema. Uma linda história!
...
Eu ainda escrevo minhas poesias num caderno. Numa folha. E só depois digito-os. É como se a inspiracão necessitasse de minha mão, da tinta da caneta, de uma folha em branco pra vestir meus pensamentos. Meus devaneio poéticos. Minhas viagens.
...
Eu tenho poesia escrita em guardanapos de restaurante, em toalha de mesa (que mesmo depois de transferido para um computador, teimo em guardá-los, amarelados) e num pedacinho qualquer de papel.
...
E escrever é usar palavras que todo mundo usa, sob um novo prisma. Sobre escrever, falou Manoel de Barros, num trecho de "Retrato quase apagado em que se pode ver perfeitamente nada", do livro "O Guardador de Águas"
...
V
"Escrever nem um coisa
Nem outra
- A fim de dizer todas
Ou pelo menos, nenhumas

Assim ao poeta faz bem
Desexplicar
- Tanto quanto escurecer acende os vaga-lumes...
...
...VII
O sentido normal das palavras não faz bem ao poema.
Há que se dar um gosto incasto aos termos.
Haver com eles um relacionamento voluptuoso.
Talvez corrompê-los até a quimera.
Escurecer as relações entre os termos em vez de aclará-los.
Não existir mais rei nem regências.
Uma certa luxúria com a liberdade convém."
...

Bem é isso. E por falar em ecrever, andam escrevendo muito sobre Barack Obama. Que os pensamentos vestidos em palavras sobre esse moço, que já deixa sua marca na história mundial, sejam traduzidos em grandes feitos e que os pensamentos futuros sejam belos e serenos.
...
Até a proxima escrita!
...
CARPE DIEM

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Se for pra falar de amor...


Se for pra falar de amor
Melhor sorrir
Melhor cantar
Melhor ouvir
E por que não dançar?
...
Se for pra falar de amor
Melhor ainda, olhar lá no horizonte
O sol se escondendo
Atrás de um belo monte
...
Se for pra falar de amor
Banho de rio e de cachoeira
No frio? Melhor cobertor!
Cobertor e lareira
...
Se for pra falar de amor
Roupa nova, banho e perfume,
Flores para a pessoa amada, cai muito bem
Melhor ainda! Faça disso um costume!
...
Se for pra falar de amor
Nada de silêncio e nem de olhos abertos
Melhor são palavras sussuradas
E toques sensíveis e espertos
...
Se for pra falar de amor
Nada como ouvir o coração
Se entregar de corpo e alma
Consciência...só que com muita emoção
...
Se for pra falar de amor
Pode-se plantar uma flor
Regar com carinho
Conviver com amor!
...
Ah! Se for pra falar mesmo de amor
Nada melhor como o bom e atual - Eu te amo!
Aquele de dentro pra fora
Olhos nos olhos, mãos suadas e corpo quente...
Sorriso franco, abraço apertado e...
Beijo ardente
...
Se for pra falar de amor
Podemos apenas ouvir
Podemos receber com toda certeza
Carinhos e mimos
E um belo coração de princesa!
...
Se for pra falar de amor
Noites de lua
Manhãs dos pássaros
Tardes ensolaradas
Dians inteiros e intensos
Palavras apaixonadas
...
Se for pra falar de amor
Vida inteira juntos
Por que o amor não se esgota
Por que pra quem ama,
Nunca falta asunto!
...
Se for pra falar de amor
Corpos nus e muito desejo
Cama espaçosa e lençois macios
Pra falar de amor, nada melhor que beijo!
...
Pra falar de amor, bem falado
Duas pessoas dão conta do recado
Contemplam-se e completam-se
Abraçam-se e adormecem
Embalados pela paz do amor bem amado.
...
Se for pra falar de amor
Folhas e folhas, combinadas com palavas sem fim
Se for pra falar de amor mesmo
É só buscar-me dentro de você...
E encontrar-se dentro de mim!

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Prosear...

Segundo o Aurélio:
Prosear: Falar muito; conversar fiado; conversar sem nenhum compromisso;bater papo;tagarelar.

Segundo dois amigos antigos, num canto tranquilo do mundo
Prosear: Viajar nas idéias e nas palavras. Encantar-se em causos. Dividir sonhos e devaneios. Falar do natural e do sobrenatural. Integrar-se.

Segundo dois jovens executivos, preocupados com o próximo contrato
Prosear: coisa de gente antiga, quase caipira, que não tem noção de quanto vale o tempo. Desperdício total de criatividade. Coisa de gente à toa.

Exceto a definição do Aurélio, as definições foram imaginadas por esse moço aqui. Talvez nem seja tão romantico assim, no caso dos dois bons e velhos amigos e nem tão frio assim, no caso dos dois jovens executivos, cheios de vontade de construir o mais rápido possível o seu patrimônio.

Uma coisa é fato. Eu gosto de prosear. Nem sou tão velho assim e nem tão desocupado. Pelo contrário, sempre tenho mil coisas pra fazer! Acho o máximo sempre ter muitas coisas pra fazer. Nos torna produtivos e úteis ao mundo.

Agora sobre a prosear...
É tão bom que deveria ser obrigatório. Aquele conversar fiado. Pode ser regado a uma cerveja (em São Paulo), a um chopp (no Rio), um tereré (no centro-oeste), chimarrão (no sul), água de côco (nas praias), a uma cachaça (no interior do país, especialmente Minas e São Paulo) e por aí vai...

Também pode ter música de fundo. Um bom samba (pro carioca), um bom POP (pro paulistano), uma MPB (para qualquer lugar no Brasil), uma moda de viola (pro interiorano) e tantos outros ritmos regionais que temos por esse país, mais que bom de prosa!

Prosear numa praça arborizada é legal. Pode ser na varanda de casa, na sala do apartamento. Até na calçada. Cadeiras pra fora ou sentados no chão mesmo. Prosa coletiva, roda de amigos! Coisa boa!

Independente do lugar ou dos acompanhamentos, o bom da prosa é o outro. Isso mesmo. A prosa só é boa, quando temos do outro lado uma outra pessoa boa de prosa. E o legal da prosa é que tem toda uma magia envolvida.

Prosa boa tem que ter discussão sadia e mudança de assunto constante. Tem que ter um bom ouvinte. Se for espirituoso, melhor ainda. Tem que ter crença total no outro. Afinal, pode surgir uma história fantástica no meio da prosa e se o ouvinte for muito incrédulo acabou a prosa ali mesmo.

- Pára seu moço! Agora você foi longe demais com essa prosa! Deixa eu ir que tá tarde!.
Pronto. Adeus prosa!

O bom proseador é um sujeito que olha bem e ouve melhor ainda! Adora perguntar sobre o desenrolar da prosa:
- E aí? Como foi que se resolveu? Não me diga que!...
E com essa curiosidade estimula o contador do causo ou dono da prosa a caprichar nos detalhes.

Com tanta correria, deixamos de lado tantas coisas boas.
Agora a prosa ao vivo e à cores, tem a concorrência da internet. A prosa cibernética!. É uma prosa educada. Por que um escreve, o outro lê e depois responde e por aí vai.
Tem a prosa-videoconferência. O outro tá lá do outro lado do mundo ou da tela e proseia olhando no olho do outro.

Na verdade, prosa é prosa. E se ela for sem muito sentido, melhor ainda! Por que discussão séria a gente faz em reunião de empresa, de família, de casal. Prosa tem que ser amena. Viajada!

Então meu amigo. Vamos prosear!

Tem um amigo aí! Puxa dois dedos de prosa com ele.

Sabe aquele vizinho do lado ou da frente? Isso, aquele que faz 5 anos que vocês moram no mesmo andar e o máximo que conseguiram fazer um para o outro foi dispensar um olhar rápido, ou um aquele bom-dia protocolar, naquela vez que se encontram no elevador. Puxa uma prosa com ele! Garanto que vai se surpreender!

Enfim, seja ao vivo ou seja na internet cultive o hábito salutar de prosear!

Por falar em prosa. Olhei na janela aqui, céu nublado, temperatura boa...tem uns pássaros cantando numa árvore aqui perto. Nossa! Me lembrou aquele diaem que eu, numa viagem, que fiz ao Pantanal e...

Bem...isso é outra prosa! Se alguém desejar prosear de verdade, eu continuo esse causo, que é pura verdade! Uma coisa eu garanto: a prosa é boa!

Até mais! E boa prosa!

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

A magia do Rio...(ou o primeiro Presidente marrom dos EUA)

O Rio de Janeiro tem uma magia, que tentam (e olha que tentam com muita força!) apagar, com a violência de fato e com a utilização dessa violência pela imprensa, em troca de audiência e anunciantes.

A gente tem mania de dar espaço pra quem não deveria nem ser lembrado, quanto mais considerado. Já perceberam que tem alguns traficantes, que são tratados com respeito e até reverência, pela imprensa? O cidadão vira personagem de livro, de filme, de novela. e todos ganham em cima dele. É bom que ele exista não é? Alguém precisa alimentá-lo e mantê-lo atuante. Mesmo que esteja num presídio de segurança máxima, que só a imprensa consegue acessar, pra lembrar que ele é o "cara".

Outro dia, vi um âncora, de um jornal bem famoso, de uma rede de televisão bem famosa, falando sobre o comando de uma ação, realizado por um traficante, direto de um presídio de segurança máxima. O tal âncora, considerava incrível, ele (o traficante) ter todo esse poder!
Claro que o cidadão ( o tal do âncora) está lendo tudo o que está escrito no "teleprompter" (http://pt.wikipedia.org/wiki/Teleprompter).

E aí entra o olhar. E esse não dá pra ser lá muito ensaiado. Neste momento ele se trai. O texto que ele lê sugere indignação. Os olhos dele entregam uma admiração ou uma satisfação de ter aquela notícia em primeira mão, que garante a audiência do seu empregador e a valorização do espaço do seu anunciante. Nem vamos falar aqui, do caso Eloá (Esse foi comemorado por muitas hienas! Todos torciam para que durasse dias e dias, o martírio das meninas e do rapaz. E aí veio a realidade e deu uma lição no bando. Acordem...isso é real. Uma pessoa morreu, neste show! E claro, as hienas ficaram chocadas!)

Bem, deixemos essas divagações pra depois e vamos ao que está acontecendo agora:

Tem uma música do Renato Teixeira, que adoro pelo seu encanto simples, chama-se "A primeira vez que fui ao Rio". tem um trecho dela que fala assim:

"Antes do sono nós ficamos conversando
Sobre o medo que se sente no bondinho,
Um jeito muito carioca de voar.
Foi muito curto o nosso tempo de estadia
Mas valeu por muitos dias, de coisas pra se contar
Pra gente que, leva uma vida mais tranqüila,
De um jeito quase caipira
Ir ao Rio de Janeiro é o mesmo que flutuar..."


Lindo isso, né? E o Rio é isso mesmo. Suas ruas são diferentes e suas praias também.

O carioca tem um jeito diferente. Um jeito gostoso de ser. Nada de pejorativo. De revanchismo paulista. Carioca é no fundo, tudo de bom. Povo forte, trabalhador, sonhador acima de tudo. Já reparou como ator e atriz no Rio de Janeiro? É a terra do sonho. E que tem o privilégio de viver numa terra "abençoada por Deus, que é bonita por natureza", como diria Benjor.
E essa história do Renato (o Teixeira), me lembrou uma outra. Uma que vivi, quando eu tinha uns 10 anos mais ou menos. Eu vivia em Cubatão (SP), cidade perto do litoral paulista. Famosa por sua poluição, na década de 70 até meados dos anos 80. Lá vivia uma tia minha, com sua família e eles estavam voltando para o Rio de Janeiro.

Puxa! Me convidaram pra ir junto, passear! Ficar com meus três primos (uma prima e dois primos) uma temporada. E essas lembranças chegam com tanta alegria! Lembro das ruas, das calçadas, das brincadeiras com as crianças, do Cristo, do Maracanã! E o bondinho?! Passear no bondinho, para uma criança de 10 anos é o máximo! Que coisa linda...aquilo tudo abaixo de nossos pés...vista, beleza, natureza...paz!
Foram alguns dias mágicos. Tios amorosos, meus primos eram adoráveis. Me trataram tão bem. Me acolheram. Tínhamos quase a mesma idade. É bom ser acolhido. E fui. No Rio de Janeiro.

Lindo. Ir ao Rio de Janeiro é o mesmo que flutuar!

E enquanto escrevo, temos um novo presidente nos EUA. Outro acontecimento maravilhoso. Muito mais pelo seu simbolismo do que pela biografia e propostas do eleito. O primeiro presidente negro (que ele se define como marrom em sua biografia) dos Estados Unidos.

O país das oportunidades nunca tinha dado uma oportunidade para um negro. Viu? Nem tudo que parece ser é o que realmente é. O país da economia sólida também é o país que tratou esse tema com irresponsabilidade e da maneira mais primária possivel. Resultado. Caos no mundo.
Que Obama, negro ou marrom, descendente direto de africanos, tenha uma bela jornada pela frente. Que seja digno dos votos e da paixão do povo que o acolheu naquele país.

E ele está aqui justamente por que tem tudo a ver com o que acontece neste post. Coisas simples, acolhimento. Assim como eu fui acolhido um dia, nos meus idos 10 anos de idade, esse negro foi acolhido por um povo, que há muito tempo, não se via apaixonado por um presidente.

Vida longa e luz as ideias (sem acento, pra ir me acostumando com as regras de 2009) desse homem que surge como esperança de um mundo melhor.

Até mais!

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Andar...Andar...


E Alceu Valença, nos disse em uma de suas canções:

"Eu compus esta canção
Andando de Ipanema
Para o Baixo Leblon
Procurando te encontrar
No meu Rio de Janeiro...
...Andar, andar
Nas ruas do Rio
Do Rio de Janeiro
Dezembro, abril

Andar faz um bem danado!
Você acredita que tem gente que não conhece ainda o próprio bairro?
E mais grave! Mora lá faz um tempão!
Conhece bem sua garagem, o interior do seu veículo.
Agora a rua de sua casa, não sabe direito o que tem lá não...
E pode ser que por lá tenha um belo Ipê amarelo!
Uma praça escondida
Uma casa bonitinha!
E vizinhos simpáticos!
Sabe aqueles? Que riem de graça...você passa e e eles riem
Com carinho e que diz tudo num único sorriso:
- Oi, tudo bem?! Tenha um bom dia! Bom te ver! (tudo isso num sorriso!)
Pessoas interessantes essas que moram no seu bairro, hein?
E o comércio do bairro? Simples. Só pra você!

Sei o que está pensando...
O shopping é mais legal, né?
Dá pra ir de carro e o estacionamento é pago
Um monte de gente bonita, que necessariamente nem tá bonita por você
Aliás, geralmente, nem te olha. Esbarra (melhor, te atropela) e nem pede desculpas.
O legal é que o custo do shopping é alto. Isso torna as coisas mais caras
Afinal, o empresário precisa cobrir as despesas do sócio "trazedor" de gente!

É bom contar para o amigo, vizinho, colega de trabalho que você comprou aquela roupa, daquela marca, que custa muito caro e você agora tem!
Legal mesmo, é nem contar. A marca é tão famosa (e o preço devidamente temperado, com sal a muito gosto) que "todo mundo" bate o olho e pensa: Esse(a) aí tá bem!

Andar de carro é bom. Se for por duas quadras, melhor ainda.
Você imaginou como era antigamente, antes do Henry Ford, como as pessoas compravam pão?
E remédio? Compras do mês! Ir na feira!

Que bom! Hoje podemos ir à padaria do bairro, de carro. Imagina só! Andar 4 quadras! Jesus!

Ter carro é bom. E se fazemos tudo com ele, melhor ainda!
Os produtores de combustível agradecem
Pricipalmente àqueles motoristas que usam-no de maneira irracional. Sem planejamento.
A natureza não fica lá muito feliz, claro.
Vendo você aí, rodando de carro, três quadras, pra comprar 06 pãezinhos,
que já vêm embrulhados num saco,
que você insiste em colocá-los também numa sacola plástica,
que você colocará depois latas, caixa de leite, restos de comida, etc..
que será recolhida pela companhia de lixo de sua cidade,
que jogará num aterro qualquer,
que manterá esse saco-plástico,
misturado com tantas coisas recicláveis e reaproveitáveis,
por algumas décadas e em alguns casos,
uma certa quantidade de séculos.
Sabe o que tem lá neste saco plástico,
junto com todo o lixo (que boa parte dele poderia ser reciclado) que você juntou?
Seu descaso com seus filhos, netos, irmãos, animais, ar,
Descaso com o seu planeta.
Tudo isso cabe numa única sacola plástica de 30 x 40 cm, com alça.

Sempre tem alguma coisa acontecendo.
Tudo começou com uma simples voltinha no bairro
Quantas coisas você poderia evitar e melhor
Quantas coisas você poderá descobrir no seu bairro
Andando calmamente por suas ruas
Cumprimentando as pessoas
Fazendo amizades com os comerciantes locais
Rindo da piada do dono da padaria
Da conversa animada do caixa do varejão ou mercadinho
Vendo que o mundo pode ser melhor sim
Começando por seu bairro
Bem pertinho de você
Onde tudo começa

E por falar em bairro?
É pedir para "acontecer coisa demais" por hoje,
Falar que você poderia andar a pé pelo seu bairro
E exercitar o dom do diálogo, o tal do relacionamento intepessoal
E juntos, você e demais os moradores deste bairro
Organizarem uma coleta seletiva
E melhor, procurar uma empresa que trabalhe com essa coleta
E arrecadar dinheiro
E contribuir com uma entidade social do bairro ou do bairro vizinho
ou simplesmente organizar uma festa anual em uma rua bem iluminada do seu bairro.
Confraternizar!

Agora! Viajei demais!

Ah! Você deve estar pensando: "Meu carro é movido a biocombustível".
Até quando, você acredita que a terra suportará colheitas, queimadas, colheitas, queimadas, colheitas de cana-de-açucar e outros que se transformam em biocombustíveis?

Ei! Levanta aí...Vai conhecer o teu bairro, vai!
Depois me conta o que descobriu!

Inté!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...