segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Isso está indo rápido demais (ou homenagem ao amigo que se foi...)

07:02 - Relógio desperta
07:22 - Dentes escovados, barba feita e banho tomado
07:35 - Entro no carro, chave no contato, saída de casa
07:45 - Parada no banco
07:50 - Estrada por uma hora
08:30 - Parada para um café rápido
08:40 - De volta a estrada
09:21 - Chegada ao destino
10:00 - Reunião de apresentação
10:35 - Novos ajustes
11:00 - Segunda reunião
12:00 - Almoço rápido
13:00 - Continuidade dos trabalhos
17:00 - Última reunião do dia
18:45 - Entro no carro, estrada, noite chegando, apesar do horário de verão
19:30 - Parada para um café
19:45 - De volta a estrada
20:20 - Chegada em casa
20:35 - Telefone toca (melhor amigo)
20:37 - Acabo de receber a notícia que um grande amigo nosso faleceu, assim, sem mais nem menos. Infarto.
Idade? Menos de 40, um pouco mais de 30 anos.
Como tudo passa tão rápido.

E logo com ele, que tinha uma frase, pra nossas correrias, no tempo em que trabalhávamos juntos:

- Samuel, isso tudo tá indo rápido demais!

E essa voz que agora está viva dentro de mim. Pronunciada com toda sua cerimônia, com voz de locutor romântico de FM.

E entre um suspiro (de é isso mesmo?) e uma sensação que me preenche agora (de ele deve estar bem!), neste exato momento, me pego a pensar como tudo voa! Como uma borboleta, entre as flores de um jardim ou as árvores de um bosque.

E deve ser assim, que nosso querido amigo deve estar agora, voando. E provavelmente, conhecendo-o, não deve estar voando rápido.

E sim com graça e aproveitando cada flor que passa por perto. Sentindo seu perfume, observando suas cores, forma. Olhando o todo. Aprendendo e ensinando...

Afinal, além de homem simples ele também era um professor. Daqueles que nem existem mais. Tão jovem e de um tempo tão antigo.

Quando o olhava, imaginava-o como um lorde, dos tempos antigos. Clássico. Com sua voz pausada e marcante. Um homem, um amigo, um professor. Quantas pessoas numa só!

Hoje, meu amigo, que achava tudo rápido demais, nos pregou uma peça e se foi.
Ao seu estilo, clássico. Discretamente deixou a cena, após seu último número. Dispensou os aplausos, que agrada mais aos vaidosos. Dispensou as lágrimas, que combina mais com os melodrámaticos e se foi.

Deixando o nosso espetáculo, um pouco mais triste, sem a sua presença. Afinal, tinha um papel importante na vida de muitas pessoas.

Com a certeza, que um novo espetáculo de beleza e sabedoria inicia agora, num outro palco, onde provavelmente será de grande importância. Afinal, ele era um nobre, que agora voa. Certamente chegará em grande estilo, cadenciando os apressadinhos:

- Meus amigos, vocês não acham que tudo aqui anda indo rápido demais?

Paz, equilibrio, conforto e muito aprendizado. Sei que você dá conta meu amigo! Conte conosco. Sempre! Peço ao pai maior que conforte a família e seus amigos.

É isso. Nem tudo é como a gente quer. A vida é maravilhosa e deve ser aproveitada cada minutinho dela. Nada de deixar as coisas pra depois.

O lugar é aqui (ou aí ou acolá, dependendo de onde você estiver agora) e a hora certa é agora.




4 comentários:

mia disse...

Ele se foi! Mas pelo que notei deixou contruido um nobre castelo com "amizade, solidariedade e amor em cada tijolo." e este castelo é o que abriga o coração de todos que o amavam.

Sê forte cavaleiro!
AbraçÃO.

Babi disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Yuri Pessa disse...

Eae Samuel, sou o Yuri do Informarte Blog e vim aqui para parabenizá-lo também pelo seu blog. Concordo com o que vc disse no comentário la, me identifiquei com seu blog tbm. Seu blog agora tbm já está adicionado em nossos parceiros.

Valeu. Abração!

LIh disse...

Um dia...
este amigo me deixou um CD que fala que a verdadeira felicidade esta em SER e nao TER.
saudade...
do SER humano
amigo, companheiro e de grande coraçao.
obrigada pelo carinho
Lih

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...